domingo, 5 de agosto de 2007

As belezas marinhas

Diversos animais estão escondidos no fundo do mar, dois dos mais graciosos serão citados logo a seguir. São eles o cavalo e as arraias marinhas.
Join =)

O cavalo marinho é uma espécie de peixe muito curiosa e, no mínimo, exótica. Todos, algum dia, já pararam em frente a um aquário para admirar este peixe. Ele faz um grande sucesso, não só pela sua aparência, mas também pela maneira como nada.
Seu corpo é coberto por placas dérmicas que servem de proteção contra os inimigos. Ele se mantém na posição vertical, utiliza a barbatana dorsal como único meio de propulsão.
Sua capacidade natatória é bastante limitada por isso vive em águas calmas e abrigadas, como estuários, onde existem algas e plantas marinhas. Neste ambiente, o cavalo marinho pode se enrolar mantendo-se imóvel.
O cavalo marinho se alimenta de pequenos moluscos, vermes, crustáceos e plâncton que são sugados através do seu focinho tubular. No aquário ele se alimente de artêmia salina e dáfnias. Alimentos que não se movimentam não serão comidos já que ele não tem costume de ir buscar alimento. Ele come o que estiver passando por ele.
Quanto à sua reprodução, há um aspecto interessante: os ovos são depositados numa bolsa ventral do macho. Após uma parada nupcial, a fêmea deposita os ovos nesta bolsa para então serem incubados, nascendo os juvenis completamente formados, já muito semelhantes aos adultos.
As raias são condríctes (peixes cartilaginosos), ou seja, sua estrutura de sustentação é formada por cartilagem. Atualmente, são conhecidas mais de 950 espécies de peixes cartilaginosos, que se distribuem por todo o mundo, tanto em água salgada quanto doce. Esses peixes podem ser divididos em Holocéfalos (quimeras) e Elasmobrânquios, que por sua vez se dividem em Seláquios (tubarões) e Batóides (raias)Atualmente, acredita-se que as raias tenham evoluído dos tubarões, tendo assumido a forma achatada por nadar rente ao fundo. Seu tamanho varia de alguns centímetros a quase 8 metros de envergadura nas jamantas. A locomoção das raias se dá através de ondulações laterais do corpo ou por ondulações das nadadeiras peitorais. Todas são carnívoras e se alimentam de peixes, crustáceos, moluscos, poliquetas e outros animais marinhos. As maiores, como a raia-gigante e a jamanta, se alimentam de plâncton (pequenos organismos que flutuam na superfície dos mares), pequenos peixes e crustáceos. Algumas raias possuem uma série de espinhos, outras são venenosas e perigosas a mergulhadores. Há também espécies que possuem órgãos elétricos, podendo chegar a descargas elétricas de 240 volts. Existem aproximadamente 340 espécies de raias no mundo e cerca de 60 ocorrem no Brasil.

Nenhum comentário: